Paulinho da Força, o Boa Vista da lista de propinas da Odebrecht, quer cassar mandato de Sampaio

Eis que o deputado federal Paulo Pereira da Silva (Solidariedade-SP), mais conhecido na política e na crônica policial sobre corrupção como Paulinho da Força ou Boa Vista, entrou com um pedido de cassação de mandato por quebra de decoro parlamentar contra o deputado Soldado Sampaio (PC do B), líder do governo. O motivo foi o pronunciamento feito por Sampaio na tribuna da Assembleia Legislativa, no dia 22 de outubro, quando chamou o presidente da Casa, deputado Jalser Renier (Solidariedade-RR), de “bandido, ladrão do dinheiro público e  chefe de quadrilha”.

Ao protocolar a representação no Poder Legislativo de Roraima, Paulinho da Força pede a cassação do mandato de Sampaio ou a aplicação de uma suspensão de pelo menos 60 dias ao parlamentar. Assim, Paulinho quer intimidar ou calar o líder do governo, que apresentou à justiça um pedido de afastamento de Jalser do cargo de presidente da Assembleia e, há duas semanas, também entrou na Casa com um pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a conduta de Jalser à frente da Mesa Diretora do Legislativo estadual.

Presidente da Executiva Nacional do Solidariedade, mesmo partido de Jalser Renier, Paulinho da Força (o Boa Vista da lista de propinas da Odebrecht, não esqueçamos), diz que o discurso de Sampaio teria ultrapassado o limite entre o debate político e a violência moral. Homem de conduta política exemplar – só que não – Paulinho diz na representação que crimes contra a honra são repugnantes. Afirma ainda que o tom usado por Sampaio foi “vulgar e visceral”, com o objetivo de denigrir a imagem de Jalser Renier.

Sobre a investida de Paulinho da Força contra o seu mandato,  Soldado Sampaio disse estar tranquilo e afirma que só falou a verdade. O parlamentar frisou que não teme perder o mandato, salientando que foi eleito de forma legítima pela povo.  “Se falar a verdade é quebra de decoro, então serei condenado por falar a verdade. Não estou preocupado com perda de mandato, até porque estou deputado, não dependo de ser deputado para sobreviver. Mantenho meu padrão de vida como mantive por muito tempo como soldado da Polícia Militar”, afirmou.

Quem é Paulinho da Força? Conheça sua ficha corrida

Paulo Pereira da Silva, Paulinho da Força ou mais precisamente o Boa Vista, da lista de propinas da Odebrecht, salientemos, é um dos políticos influentes alcançados pela Operação Lava Jato. Ele acusado de receber propinas e subornos. São várias as acusações de delatores presos pela força-tarefa de Curitiba contra Paulinho, que usou os filiados da Força Sindical como massa de manobra para auferir benefícios para si ao longo da sua trajetória. Cito algumas das denúncias feitas contra o político.

Paulinho foi acusado pelo empreiteiro Ricardo Pessoa, proprietário da UTC Engenharia e idealizador do “clube das empreiteiras” – consórcio criminoso de grandes empresas para cooptar e pagar propina a políticos – de ter recebido R$ 1,6 milhão de propina a título de doação. O objetivo do suborno: esvaziar movimentos sindicais e evitar greves na empresa.  Algo vergonhoso para quem cresceu na política, articulando e comandando movimentos de trabalhadores. (Fonte: Congresso em Foco)

Segundo os inquéritos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF), Paulinho da Força responde a outras acusações de corrupção passiva, ativa e lavagem de dinheiro. Os inquéritos contra o deputado sindicalista foram autorizados pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF. Um dos delatores da Odebrecht disse que Paulinho recebeu R$ 1,2 milhão para outra campanha eleitoral de 2010. (Fonte: G1)

Outra denúncia contra Paulinho da Força Sindical foi publicada pelo jornal O Estado de São Paulo. Segundo uma conversa gravada via Skype pela Odebrecht, capturada pela Lava Jato, teriam sido feitos pagamentos ilícitos para o chefe de gabinete do deputado Paulinho em valores que, juntos, somam R$ 1,8 milhão. Marcelo Lima, o chefe de gabinete, teria recebido a propina no escritório da Força Sindical em São Paulo.

As denúncias contra o defensor da moral e dos bons costumes na política continuam. A lista é imensa e tudo sobre o recebimento indevido em cifras superiores a R$ 1 milhão, demonstrando que Paulinho usou a Força Sindical e o mandato de deputado federal para ganhar muito dinheiro ilicitamente. A matéria do Estadão diz que “Paulinho da Força pegou R$ 1 milhão em propina para dar ‘tutoria’ à Odebrecht”.

A Folha de São Paulo, por sua vez, publicou no dia 12 de junho de 2017, a notícia acerca da condenação de Paulinho da Força, que teve os direitos políticos cassados por cinco anos naquele julgamento do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região). A condenação foi resultado da acusação de prática de improbidade administrativa, devido ao uso de recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para contratar, pelo valor de R$ 215 mil, sem licitação, a Fundação Domini com o objetivo de ministrar cursos profissionalizantes voltados para pessoas desempregadas e de baixa renda.

Com todo esse histórico de imoralidade e acusações de prática de corrupção em seu currículo político, não faz sentido que Paulinho da Força, o Boa Vista da lista de propinas da Odebrecht, se arvore na tentativa de querer cassar o mandato de um parlamentar que, ao contrário dele, não responde a nenhum processo por mal feitos. Mas, para defender seu correligionário, Jalser Renier, político igualmente acusado de corrupção, improbidade administrativa e apropriação indébita em vários processos, Paulinho usa sua força, novamente, para fins absolutamente questionáveis.