IMPRENSA URGENTE

RH fora do ar
Os internautas que estavam se acostumando a ler o Roraima Hoje na internet tiveram uma surpresa desagradável na manhã de ontem: ao acessar o endereço do site (www.roraimahoje.com.br) não encontraram o jornal disponível na rede mundial de computadores. Trata-se de uma situação desagradável, mas plenamente justificável, segundo a equipe responsável pelo serviço. Problemas técnicos junto ao provedor impediram a disponibilização das matérias on line, como já ocorria há quase um mês. O impasse está sendo contornado para que o RH retorne, em breve, a ser lido diretamente da sua tela. Nos dias de hoje, os leitores não dispensam a comodidade de ter tudo ao seu alcance, no click do mouse. Esta é uma característica dos leitores movidos a bytes. Eu, de minha parte, ainda prefiro o cheiro de tinta e papel. Apesar do mundo vasto que a internet oferece, ainda prefiro o contato “corpóreo” com o jornal. A sensação é inigualável.

A língua ao seu dispor
Estudantes de comunicação de todo o país e de Roraima, em especial, contam hoje com duas revistas que considero bastante interessantes para quem quer manejar bem a língua portuguesa. Trata-se dos periódicos Língua Portuguesa, da Editora Segmento, e Discutindo Língua Portuguesa, da Editora Escala Educaional. As duas revistas trazem, mensalmente, matérias diversas com curiosidades sobre escritores de língua portuguesa, a situação dos países lusófonos, os neologismos trazidos pela tecnologia – leia-se o uso da informática e da internet no processo de escrita – e nunca faltam matérias sobre linguagem e textos jornalísticos. A Discutindo Língua Portuguesa mais recente traz, por exemplo, uma matéria sobre o uso da linguagem literária nas grandes reportagens. Já o periódico da Segmento tem como destaque de capa da sua primeira edição de 2007 o artista pernambucano multifacetário, Antônio Nóbrega. Considero as duas revistas pérolas preciosas que há muito tempo deveriam ter surgido no cenário editorial brasileiro. Esta é uma forma de manter contato com a principal ferramenta de trabalho do jornalista, de uma forma suave e extremamente agradável. Leio e recomendo. Vale a pena, pode ter certeza.

Abrindo o debate
Recebi ontem, do jovem e talentoso radialista e estudante de Comunicação Social, Iohann Barbosa, algumas considerações sobre a coluna IMPRENSA URGENTE. “Tem muita gente lendo e discutindo sua coluna”, disse-me ele. Segundo Iohann, os assuntos abordados estão despertando uma discussão salutar nos meios jornalístico e acadêmico roraimenses. Esse é, como já salientamos em uma edição passada, o primeiro e único objetivo deste espaço. Queremos que os profissionais e a sociedade discutam a atuação da imprensa. Trata-se de um hábito bastante salutar. Principalmente hoje, quando os leitores/ouvintes/telespectadores são vistos quase que exclusivamente como dados estatísticos para convencer os clientes a anunciarem nos veículos. Se a discussão está ocorrendo, é sinal que o nosso objetivo está sendo alcançado. Motivo de alegria, portanto.