Jucá perdeu, mas não perdeu sozinho. Levou vários seguidores com ele

rjuca_fabio_pozzebom

A Comissão de Reforma Política reúne-­se para analisar a proposta que prevê novas eleições se o eleito em cargo majoritário for cassado ou perder o mandato por outro motivo (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

A derrota do senador Romero Jucá (MDB) nas urnas não foi uma derrota só dele. Fora os deputados estaduais Jalser Renier (SD), Jorge Everton (MDB) e Marcelo Cabral (MDB), que conseguiram se reeleger, mais ninguém ligado a Jucá logrou êxito nas urnas. Foi o que se pode chamar de derrota coletiva.

Várias pessoas que se aliaram ao político considerado como o mais influente de Roraima, que disputaram cargos eletivos no primeiro turno das eleições, também naufragaram com ele eleitoralmente.

Entre os seguidores de Jucá que se deram mal nas urnas está a deputada federal Maria Helena Veronese (MDB), que acabou não conseguindo a reeleição. Política da velha guarda, Veronese é fiel seguidora de Teresa Surita e de Romero Jucá e, exatamente por este motivo, recebeu um “NÃO!” das urnas.

Ainda que tenha conseguido uma boa votação, num total de 7.170 votos, o vereador Renato Queiroz (MDB) — uma jovem promessa da política local — foi um dos mais prejudicados por colar sua imagem à do senador, denunciado em vários inquéritos que tramitam no STF, por corrupção.

 

Além da rejeição, a derrota dos aliados de Jucá foi decorrente de erros de estratégia.

Eu explico: Jucá, como presidente do MDB, injetou dinheiro de mais em candidaturas de velhos nomes, como Maria Helena, que recebeu de R$ 1,2 milhão, e dinheiro de menos em novas promessas, como é o caso de Renato Queiroz, agraciado pelo MDB com apenas R$ 250 mil. Joilma Teodora recebeu, segundo fontes do blog, R$ 900 mil para a campanha.

“Se com apenas R$ 250 mil nós conseguirmos mais de 7 mil votos para Renato, já pensou o que poderíamos ter feito se tivéssemos recebido do partido R$ 1 milhão para a campanha? Nós não pudemos contratar ninguém. Fizemos uma campanha franciscana”, disse uma fonte do blog.

Mas o cenário político já apontava que Jucá não seria reeleito. A rejeição ao seu nome era estrondosa em todo o estado — de norte a sul — e nisso as pesquisas Ibope acertaram em cheio. O eleitorado disse um sonoro “NÃO” a Jucá e todos aqueles que se aliaram a ele.

Sendo assim, Renato, uma grata promessa que pretendia encarnar o novo na disputa por uma vaga na Câmara dos Deputados, acabou sendo tragado pela onda negativa que engoliu Jucá e seus aliados.

Outro nome que foi prejudicado pela rejeição a Jucá foi a vice-prefeita de Rorainópolis, Joilma Teodora, outro jovem nome da política roraimense. A vice-prefeita da segunda maior cidade do estado duvidou do desejo de mudança dos eleitores e, por isso mesmo, se deu mal.


Ver esta publicação no Instagram

 

Não há palavras pra expressar minha gratidão no lançamento da minha candidatura em Rorainópolis. Obrigada a Deus pela permissão de um momento tão especial, de amigos que acreditam nos nossos sonhos. Agradeço a todos pela participação e por toda energia e alegria contagiante, vocês são gente da gente. Meus agradecimentos ao Senador @romerojuca Deputado Federal @deputadoediolopes e a todas as pessoas de Rorainópolis ( Sede, Jundiá, Equador, Nova Colina, Martins Pereira, Vicinais e Baixo Rio Branco), Caroebe, Baliza, São Luiz, Caracaraí, Iracema, Mucajaí, Boa Vista, Cantá, Alto Alegre, Amajari, Pacaraima, Bonfim, Normandia e Uiramutã, meu muito obrigada por tanto carinho e confiança. #Gratidão #Felicidades #Sucesso #MadeiraDeLeiQueCupimNãoRói @JoilmaTeodoraRR #ÉdaGente15123 #CandidataDeputadaEstadual

Uma publicação partilhada por Joilma Teodora (@joilmateodorarr) a

 

Joilma surgiu no cenário local em 2016 como uma promessa e até aparecia bem nas pesquisas, mas, ao final, também naufragou nas urnas.

Ficou claro que o eleitorado roraimense não queria, sob nenhuma hipótese, manter ou fortalecer o grupo jucariano no poder.

O recado das urnas foi um verdadeiro GRITO!

Que sirva de lição.

PS 1 — E por falar em Jucá, o senador roraimense disse nesta quinta-feira (11) que o MDB não vai apoiar ninguém na corrida pela Presidência da República: nem Jair Bolsonaro (PSL) nem Fernando Haddad. Será que um dos candidatos iria querer o apoio explícito do partido?

PS 2 — Esse é o novo espaço provisório do Blog do Luiz Valério, depois da ação dos invasores.
O que você pensa sobre o assunto desse post? Diga nos comentários

Anúncios

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.