SOBRE ESSA HISTÓRIA DE “FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO”

(*) Edgar Borges

Por muito tempo não gostei das festas natalinas. Essa história de “feliz ano novo”, “tudo de bom para você no ano que chega” e “o novo ano é uma oportunidade de recomeçar” não me empolgava. Acho que fiquei assim quando era um moleque, morador da Venezuela. Um primeiro de janeiro qualquer, depois das festas com muita comida, bebida, risadas e votos de prosperidade, acordei cedo para ir dar uma volta na praça da cidade.
Na minha casa, os restos da alegria: pratos e copos sujos, minha mãe dormindo, o silêncio da ressaca. Nas ruas, trabalhadores de plantão, muitas garrafas de cerveja, casas fechadas e um sol forte. Esse passeio me fez pensar que o mundo não muda apenas pela força de um voto que se repete todo ano de maneira mecânica, que a pobreza de uns continuará a mesma e as dificuldades ou maus hábitos de outros também. O simbolismo do Natal e do ano novo havia morrido naquele momento em mim, à época um guri de 11 ou 12 anos de idade.
A cada virada de ano, a mesma falta de empolgação com as festas tomava conta de mim. Sabe essa história de todo mundo se abraçar e desejar mil coisas boas quando chega a meia-noite? Bá, pura hipocrisia, desculpa para fingir que gostamos uns dos outros, depois que passamos o ano todo brigando e ignorando as necessidades do próximo.
Daí, em 2004, passei o Natal em um ônibus, atravessando o altiplano boliviano, sem nenhum conhecido por perto. Depois de quatro dias viajando de ônibus e trem, cheguei na casa de minha amiga Carla, em Floripa. Na virada do ano, reunido com a família dela, o jantar, as risadas, a queima dos fogos na avenida Beira-mar, o surgimento de uma nova percepção sobre este período do ano.
Onze meses depois, quando a PM matou meu primo, um natal sombrio se aproximava. A família fez força e juntos superamos a tristeza, reforçada por ser dezembro o mês em que o moleque aniversariava. Dessa perda, da dor, veio um ganho: o simbolismo do Natal e do ano novo recobrou sua força. Abraçar meus pais, beijar meus avós, desejar (do fundo do coração) que os meus amigos tenham sempre um ano melhor que o presente, torcer por todos, esse é o grande presente desta época do ano. Que venham as festas e fique a força para superar desafios e conquistar um outro mundo a cada dia, refletindo sobre como melhorar a nossa conduta e sobre como alcançar os nossos objetivos. Feliz 2007 para todos os que lerem esta crônica, feliz 2007 para todos os que acreditam que podemos sorrir mesmo quando tudo parece perder o sentido, feliz 2007 para quem acredita que o ano novo começa sempre a cada manhã.

* Edgar Borges é Jornalista, blogueiro e bebedor inveterado de guaraná.
edgarjfborges@yahoo.com.br ; Crônicas da Fronteira

Anúncios

One Response

  1. Lucineia 27/11/2007

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.