Deputado visita brasileiros presos na Venezuela

O deputado Chico Guerra esteve no presídio de Puerto Ayacucho e conversou com os brasileiros detidos

O vice-presidente da Assembléia Legislativa, deputado Chico Guerra (PSDB), recebeu denúncia de que vinte e oito brasileiros se encontram presos na cadeia pública de Puerto Ayacucho na Venezuela, sob a acusação de crimes ambientais.

Os familiares dos detentos procuraram o parlamentar para pedir apoio no sentido de buscar informações sobre a situação deles no país vizinho. Ao tomar conhecimento do fato, Guerra foi à Venezuela, visitou o presídio e constatou a veracidade das informações.

O deputado roraimense teve acesso aos presos e constatou que, apesar de privados da liberdade, eles estão sendo bem tratados. A reclamação entre os brasileiros presos é o fato de que o andamento do processo está muito lento, devido à carência de um tradutor.

Por este motivo, entre os brasileiros detidos na Venezuela há quem esteja preso há mais de seis meses e ainda não foi sem que ainda tenha sido ouvido pelo juiz. Tudo motivado pela falta de um tradutor oficial para acompanhar o seu interrogatório.

Uma tradutora

O deputado Chico Guerra disse ter encontrado, em Puerto Ayacucho, uma mulher que foi indicada pelo Ministério Público para que atuasse como tradutora dos presos brasileiros. O serviço realizado por ela será pago por Guerra para que possa continuar atendendo aos brasileiros.

Duas audiências estavam marcadas para a oitiva dos brasileiros pela Justiça venezuelana. Porém, dias antes delas acontecerem os detentos fizeram uma greve de fome no presídio, o que acarretou no fechamento do estabelecimento penal. Com a interdição do presídio, ninguém podia deixar suas dependências e as audiências foram canceladas.

O parlamentar roraimense tomou conhecimento através dos advogados de defesa dos vinte e oito brasileiros detidos em Puerto Ayacucho que foram detectados erros nos autos dos processos e que, por isso, em breve eles serão colocados em liberdade.

Sem remédio

O chefe da carceragem do presídio informou ao deputado Chico Guerra que na unidade penal não existe medicamentos para os detentos principalmente para os brasileiros. O parlamentar se predispôs a angariar recursos para montar uma farmácia no presídio. O dinheiro será entregue ao consulado brasileiro na Venezuela com esta finalidade. (Texto também publicano no jornal Brasil Norte)

Guerra também acompanha situação de presos na Guiana

O deputado Chico Guerra também está acompanhando a situação dos cinco garimpeiros brasileiros presos em Georgetown, capital da República Cooperativista da Guiana. Eles são naturais de São Luís do Maranhão. A Guiana faz fronteira com o município roraimense de Bonfim e atrai garimpeiros que se aventuram em busca de ouro e diamante.

Encontram-se detidos na prisão de Georgetown Antonio Rodrigues de Souza, acusado de assassinato não comprovado, Alfredo Alves Silva Souza, Raimundo Nonato Vieira, Raimundo Nonato Reis Coelho, que recebeu um ferimento nas coxas, e Antonio Rodrigues Sousa.

O destino dos garimpeiros pode ser decidido numa audiência prevista para acontecer no dia 10 de maio. Na ocasião, pode ser decidida a extradição de pelo menos um deles. Chico Guerra acompanha o caso, desde que tomou conhecimento dele, no mês de maio.

O deputado diz está envidando esforços no sentido de que os garimpeiros sejam expulsos do País e retornem para o Brasil. A situação dos detentos também está sendo acompanhada pelos representantes da organização não governamental internacional Guyana Human Rights Association, que trata da observância aos Direitos Humanos naquele país. (Texto também publicano no jornal Brasil Norte)

Anúncios

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.