Blogosférico

Noite com nuvens chorosas. Ameaça de cair um pranto a qualquer momento. Desafio a tristeza solene desta segunda-feira prestes a morrer e saio, mesmo sem lenço no bolso. Ando esquina a esquina. Nem com destino nem a esmo. Apenas ando. Encontro um bar cibernético aberto e paro para tomar uma dose de futuro neste presente embaçado. Ainda no bar visito endereços vários. Viagem rápida sem sair do lugar. Vou a Minas e troco idéias com o Avery. Com ele descubro que existe algo Minguante nas entrelinhas da vida escrito com Ene maiúsculo. Retorno à fronteira binacional e leio um pouco das crônicas do Edgar. Sem muito o que fazer, meeeesmo, “escuto” um pouco da Zhuada do Nei. Uma janela me salta aos olhos da qual o Edileuson me fala das suas impressões pessoais. Lembro que cometi uma injustiça e recoloco certas e-pístolas de volta ao índice do meu manual de idéias, de onde nunca devia ter saído. Desfeita esta injustiça, me dou por satisfeito. E volto a encarar a noite chorosa de olhos tristes.